Um pouco de história

caleidoscópios dos diálogos sobre conflitos

uma leitura ampla

Cultura de diálogo
Perspectiva ético-política
Princípios de ação
Princípios-tarefas
Desindividualizar o olhar
Sujeitos metamorfose
Perspectiva restaurativa
Desjudicializar a vida
Fazer coletivo na escola
As regras na escola
Conflito e violência

alguns dilemas

conceitos-ferramentas

práticas

Conceitos-ferramentas

| conflitos na escola

1

pedidos ou exigências

A Comunicação Não Violenta ensina, a partir da identificação das ações do outro que nos causam sofrimento e da compreensão das nossas necessidades desatendidas, a elaborar um pedido ao interlocutor para permitir uma convivência em que as necessidades de todos sejam atendidas.
Identificar qual a ação do outro que nos causa sofrimento é tarefa relativamente simples, depois de um bom exercício de suspensão de julgamento. Compreender nossas necessidades não atendidas é também bastante factível, depois de diferenciarmos claramente necessidades de estratégias. 

Agora, fazer pedidos é de fato uma arte.
A tendência será elaborar pedidos ao outro com a expectativa de que sejam atendidos e ficar contrariado caso o outro não tenha disponibilidade para atendê-lo.
Aqui vale lembrar, o pedido só é realmente um pedido se estivermos dispostos a aceitar a resposta não, caso contrário, é uma exigência. Sendo exigência, a horizontalidade própria à situação dialogal se perde. A autonomia do interlocutor é ferida.
Após nosso pedido, é de se esperar que o outro nos conte de sua possibilidade ou não de realizar esse pedido, explicitando suas necessidades. É também possível que observe algumas ações nossas que lhe causam sofrimento, detecte suas necessidades não atendidas e elabore ele também um pedido.
Além disso, é preciso tomar cuidado para não estabelecer a “ditadura do pedido”. O outro não está a nosso serviço para atender nossas necessidades. Muitas de nossas necessidades terão de ser atendidas por nós mesmos, com frequência pela elaboração dos nossos próprios processos de subjetivação, pela reflexão sobre como cuidamos de nós mesmos.

2

estratégias ou necessidades

3

observação e interpretação

4

o que ou como fazer?

5

potência, ressentimento, empoderamento

6

escutar e ouvir

7

sensação de segurança